Latest Ramblings

A LIBERDADE DE OPINIÃO

December 10th, 2017 | Comments Off on A LIBERDADE DE OPINIÃO

Deu entrada neste portal uma mensagem abaixo transcrita, assinada por Fernando Almeida, onde o autor crítica os meus artigos de opinião.
Está no seu pleno direito de discordar das minhas ideias e sobre aquilo que eu escrevo, tal é um dos princípios e valores pelos quais me pauto na vida. Mas, como não sou pago por ninguém, e apesar das discordâncias desta ou de outras pessoas, considero-me livre de as emitir em publico ou em privado e  conviver com elas de forma tranquila.
Dou valor ao esforço e ao mérito individual daqueles que por os terem cultivado ao longo da vida, se afirmaram, e afirmam enquanto tal, e nessa apreciação individual apontá-los como exemplos a seguir, incluindo o autor da carta, se para tal e igualmente lhos encontrar.
É a minha forma de estar na vida que igualmente persegui, e com a qual apesar dos sacrifícios, me tenho dado bem no contacto de quase cinquenta anos de emigrante a conviver com culturas multifacetadas. Portanto ao autor, para não se ficar apenas pela crítica aconselho-o, se a tal me for permitido, a ser mais objectivo e a criar uma plataforma, ou outra modalidade de expressão informativa, que sirva Vila Nova e lhe permita a si, explanar as suas ideias. Talvez assim, e ao dá-las a conhecer com mais pormenor e objectividade, consiga encontrar seguidores, e críticos que também delas façam eco.

Saudações

José Baptista da Silva
Dez.2017

Transcrição da mensagem enviada a 3 de Dezembro de 2017 após colocação do texto “VILA NOVA FICOU MAIS POBRE – Morreu o Dr. António Castilho”

“Boa noite,

Tenho reparado, que nos últimos tempos tem partilhado textos, um tanto ou quanto snobs, numa tentativa frustrada de elevar os desconhecidos doutores.
Não convivi com tão ilustre vilanovense (como o Dr. Que agora não me recorda o nome) mas fui condecorado pelos meus serviços, graças a tudo que aprendi com os menos destacados.
Se pretende partilhar, artigos subliminarmente seleccionados, deveria ponderar alterar o nome da sua página, para o gentilicío da Vila e não escrever em Nome da mesma. Afinal de conta, não foi eleito para representar a Vila.
Atenciosamente

Fernando Almeida”

VILA NOVA FICOU MAIS POBRE – Morreu o Dr. António Castilho

December 3rd, 2017 | Comments Off on VILA NOVA FICOU MAIS POBRE – Morreu o Dr. António Castilho

Foi com profundo pesar que soube hoje da morte dum grande vilanovense e dum querido amigo o Dr. António Castilho Borges.
O Dr. António foi para mim e desde sempre uma grande referência como Homem e como Mestre com quem se podia sempre aprender alguma coisa. Bastava conversar com ele sobre qualquer assunto, para das suas palavras apreendermos e ficar mais ricos em cultura e sabedoria. Tive a felicidade de através da minha Madrinha, ser presença frequente em casa da sua extremosa mãe, a sempre serena e prestável senhora dona Alice. Portanto, desde tenra idade me habituei a com ele conviver, tal que com os irmãos Dr. José Alberto e Dr. João Castilho, e pela vida fora a minha amizade, admiração e respeito nunca pararam de aumentar, o mesmo poderei afirmar sem me enganar deverá ter acontecido com todos os que com ele privaram.
Ás suas qualidades inatas, tão próprias da sua família, o Dr. António irradiava simpatia, afabilidade, simplicidade e respeito por toda a gente, desde o mais humilde ao mais letrado, e ele incluía-se neste rol, já que aliadas a todas as suas qualidades, era um grande homem de cultura, um grande mestre da oratória, alguém que apetecia ouvir, porque nele existiam as qualidades dum grande professor, a quem ninguém podia ficar indiferente. Conhecíamos a sua luta para resistir e tentar debelar uma grave enfermidade que o atingiu e lhe tirou algum vigor físico, mas não a eloquência nem a clareza do seu pensamento. Era um prazer falar com o Dr. António Castilho e se possível prolongar a conversa, já que ela prendia, não só devido ao personagem, mas e sobretudo á clareza das suas ideias.
Foi um académico de mão cheia e a sua acção levou-o ainda, no tempo colonial, a leccionar em Cabo Verde, á Reitoria do Liceu da Cidade da Praia, e ao alto cargo de representante do poder central para a educação naquela antiga colónia portuguesa.
Na juventude fez parte, com os seus irmãos e outros jovens do seu tempo, da organização das festas das vindimas, naquela época das mais afamadas das Beiras. Foi igualmente um excelente futebolista, ficando para sempre lembrados os seus despiques enquanto defesa de alto gabarito, com o não menos famoso avançado Zeca Tavares, outra estrela Vilanovense, que jogava no Académico de Viseu, e depois se transferiu para o Benfica. Fez parte durante alguns anos da Direcção e de outros cargos no nosso Vilanovenses, e estava sempre disponível para ajudar e aconselhar em tudo o que se lhe pedisse. A sua vasta cultura, aliada a um enorme bom senso, tornava-o uma pessoa solicitada e pronta para dar conselho, a que ele nunca se negava. Era por isso um homem sempre disponível a ajudar, e devido á sua simplicidade procurado mesmo pelos mais humildes, a quem como atrás dissemos ele tratava com a consideração dum seu igual.
Vila Nova perdeu uma das suas maiores referências vivas, uma pessoa inteira como homem, uma enorme referência cultural, e um grande amigo da sua terra, onde vinha com regularidade e passava o Verão na casa de família, que reformaram e dividiram entre os irmãos, sinal de presença e amor pelo seu torrão natal.
O Dr. António Castilho partiu, mas a sua memória permanecerá entre nós, e que bom seria se todos soubéssemos seguir os seus exemplos de vida. Se o conseguirmos, a sua memória perpetuar-se-á, Vila Nova será melhor e mais culta e, com isso, teremos pessoas melhores e mais amigas da sua terra.
Como crente e cristão, peço a Deus que o premeie com o descanso e a paz eterna reservada aos eleitos que em vida souberam através dela dar testemunho do mandamento maior da solidariedade.

José Baptista da Silva
Nov.2017

OS FOGOS OS BOMBEIROS E AS POPULAÇÕES

November 12th, 2017 | Comments Off on OS FOGOS OS BOMBEIROS E AS POPULAÇÕES

Os dias 15 e 16 de Outubro deste ano, dificilmente ficarão esquecidos na memória dos vilanovenses e de todos os habitantes da zona centro do nosso país. Os concelhos de Gouveia, Seia e Oliveira do Hospital, por se situarem mais perto de nós e terem sido dos mais atingidos nestes dias catastróficos de fogos, tocaram mais fundo a mente e o coração de todos nós.

As condições meteorológicas adversas desses dias, tal que os ventos do furacão vindos do mar Atlântico, e certamente também alguma maldade humana, descoordenação e falta de meios da Proteção Civil e falta de limpeza em muitas matas, tornaram-se condições vitais para a catástrofe que nos atingiu.

No que à nossa terra diz respeito, ela passou por poucos prejuízos e sem vítimas humanas a lamentar muito por mérito dos nossos Bombeiros que foram incansáveis não só na defesa das vidas e bens dos vilanovenses, como estenderam a sua acção a todas as terras vizinhas, já que as doze viaturas de fogo estiveram em uso permanente no combate aos inúmeros incêndios que rodeavam a nossa terra, tal que no salvamento  e evacuação de diversas pessoas em perigo.

Se aos bombeiros se deve o maior empenho no combate aos incêndios, a ajuda e o igual empenho de muitos vilanovenses com destaque para as equipas de trabalho dos nossos construtores civis, que de forma solidária as deslocaram para coadjuvar o trabalho dos nossos bombeiros, foram duma mais valia extraordinária.

A ajuda muito humana e solidária de algumas famílias, que receberam em suas casas pessoas deslocadas de outras terras vizinhas, a quem o fogo consumiu as suas habitações, é outro pormenor que deve ser enaltecido e que demonstra que em Vila Nova a solidariedade, continua a fazer parte da forma de ser e de estar das nossas gentes.

Também o velho provérbio que diz que “a união faz a força”, continua a ter valor na nossa terra, já que sem “comandos de proteção civil” mas contando apenas com os nossos bombeiros e as nossas gentes, elas foram gigantes na defesa das pessoas e do seu património.

Fomos testemunha de elogios públicos ao trabalho dos nossos soldados da paz, sabiamente comandados pelo seu comandante Guilherme Mota. Quando quem comanda sabe o que faz e tem a confiança dos seus subordinados e dos populares que a ele se aliam, os resultados serão sempre positivos, embora nem sempre os desejados. No entanto quando humanamente se faz o que se deve, e por vezes se excede o que as forças físicas permitem como foi o caso para a maioria dos nossos bombeiros e de muitos populares, só lhes podemos manifestar os nossos agradecimentos e o respeito pela Causa que os anima.

Que este exemplo de servir não seja esquecido, e que dentro do possível quem nos ler e todos os amigos dos bombeiros, ajudem estes homens e a causa que os faz viver, que se enquadra no espírito solidário de Vida por Vida.

José Baptista da Silva

Nov.2017

PROBLEMAS DA VELHICE

November 12th, 2017 | Comments Off on PROBLEMAS DA VELHICE

Uma pessoa de certa idade ē portadora de um acréscimo imenso de experiências. Se a mente não foi educada positivamente, os depósitos  conscientes e subconscientes formarão uma carga pesada e prejudicial.

A soma de fracassos, desilusões, ideais abandonados na poeira do tempo, sofrimentos e frustrações no amor, finanças em níveis alarmantes, desconsideração das pessoas aliadas ao peso do corpo combalido, fazem muita gente pensar na velhice como uma desgraça necessária.

Você é o que for hoje. S.Jerónimo um grande doutor da Igreja do século V dizia “Comece a ser agora o que será daqui por diante”. Qualquer que seja a sua idade, lembre-se que cada minuto é um milagre fantástico que merece ser vivido condignamente. Deixe o passado negativo para trás, porque se ficar sentado á beira do caminho, a chorar o leite derramado, não aproveitará o que ficou na  caneca. A idade fez de si uma pessoa lúcida. A vida ensinou-lhe muito, porque ela é a melhor escola. Aproveite o que aprendeu de bom pois é muito mais do que sabem os jovens e comece a viver o melhor da sua vida. Não cultive a solidão e viva bem consigo mesmo, pois está a viver no melhor dos mundos. O indivíduo que sofre de solidão é o que não gosta de si, e por isso é infeliz. A convivência com amigos e familiares especialmente os netos faz um  bem imenso ao idoso, tal que viajar, ou ter em casa um animal de estimação.

Mesmo que viva só, nunca cultive a ideia de que está abandonado pelos seus familiares, porque só existe abandono quando nós nos abandonamos a nós próprios. Você tem identidade própria, é dono dos seus pensamentos e da sua vontade, por isso viva a vida em plenitude sem pensar em nenhum grau de dependência.

Não cultive sentimentos negativos que o podem levar a pensar estar a ficar decadente. O desânimo acaba por nos combalir as forças físicas. Se o nosso cérebro e a nossa mente se mantiverem positivamente activos, continuam a responder plenamente ás nossas necessidades e aos nossos desafios. Medite, leia, passeie, ande a pé, conviva e interpele as pessoas que conhece e se vão cruzando no seu caminho.

Não cultive também a ideia de que não tem nada que fazer. Então as experiências da vida activa não lhe ensinaram nada? Quem durante a vida teve um trabalho criativo, não quererá refazê-lo agora devagar e sem pressa, mas duma forma artística? Será que quando trabalhava exaustivamente e com pressa para cumprir compromissos, em algumas situações não ficou com pena de elaborar melhor a obra que saia das suas mãos? Agora que tem tempo recrie o que outrora gostaria de ter feito melhor e pode refazer tudo agora. Lembre-se que nenhuma estrela do céu por mais antiga que seja deixa de brilhar. E você porque razão se há-de querer apagar?

Nesta idade o luto por vezes deixa-nos tristes e em sofrimento pela perda da nossa mulher ou do nosso marido. É normal que durante algum tempo esses sentimentos de vazio nos façam sofrer. Mas também aqui temos de conseguir forças para ultrapassar a perda. Quem partiu, já não vai poder voltar, e quem fica tem que viver. Quanto mais nos deixarmos abater pelo sofrimento, mais enfraquecemos as nossas defesas imunológicas que nos ajudam a resistir as doenças e aos vírus.

Em resumo: nunca deixe de gostar de si, porque senão, não conseguirá gostar de ninguém. Ame a vida e tudo o que ela contém de bom. Seja alegre, sorria, porque com a sua alegria prolonga a vida e retira tristeza aos que o rodeiam. Se for crente reze, ajude com conselhos da sua sábia experiência aqueles que reconhece precisarem deles. Seja positivo, tenha um coração sensível e viva feliz.

Resumo sobre o tema em título retirado do livro ” Cure-se – Você é o seu próprio remédio” Lauro Trevisan

José Baptista da Silva

Nov2017

VILA NOVA FICOU MAIS POBRE – Morreu o Dr. António Castilho

OS FOGOS OS BOMBEIROS E AS POPULAÇÕES

PROBLEMAS DA VELHICE

A LIBERDADE DE OPINIÃO

PRÉMIO DE MÉRITO JOÃO DE DEUS 2017 (PADRE JOÃO)

ESTATÍSTICAS E PODER AUTÁRQUICO

O Verão Vilanovense

ACONTECIMENTO SOCIAIS

A PÁSCOA EM VILA NOVA

PENSAMENTOS PEDAGÓGICOS, ÉTICOS E FORMATIVOS

NACIONALISMOS, POPULISMOS OU MUDANÇA DE PARADIGMA

Categorias